Em busca da necessária unidade

Wadih defende a unidade da esquerda no Rio de Janeiro

Artigo do deputado Wadih Damous publicado no jornal O Dia

Em que pese o trágico momento histórico pelo qual passa a democracia brasileira, a reação de diversos setores em defesa da legalidade democrática possibilitou às forças de esquerda uma unidade de ação que há tempos não se via.

Intelectuais, artistas, religiosos, movimentos sociais do campo e da cidade e partidos como o PSOL, PCdoB e PDT tiveram a capacidade, diante do pior momento dos 27 anos de regime democrático, de unificar em torno de bandeiras que ultrapassam as diferenças.

É preciso, portanto, que o Partido dos Trabalhadores tire uma lição disso tudo. Inexiste possibilidade, num país com claras raízes escravocratas, machistas, misóginas e que ostenta nódoas profundas na distribuição de terra, renda e moradia, em conciliar interesses entre as classes por muito tempo. É preciso tomar partido.

Aqui no Rio de Janeiro, defendo que toda a esquerda se una nas eleições municipais, independente de quem ocupe a cabeça de chapa. É necessário reconhecer que o PT errou ao simplesmente apoiar uma aliança cujo resultado geral era distinto do programa petista e ao abrir mão da crítica e da denúncia em questões como a lógica da “cidade-negócio” e as remoções arbitrárias. A aliança não possibilitou implementar o orçamento participativo, nem mesmo tornar o transporte público digno e democrático a exemplo da cidade de Maricá.

A unidade da esquerda nas eleições municipais exigirá do PT o reencontro com o seu programa original e seus próprios ideais de fundação. Não custa lembrar que foi essa visão que proporcionou sua força política e, o abandono circunstancial dela, sua maior crise.

Exigirá, também, que enfrente a questão do direito à cidade, da violência contra jovens pobres e negros e contra a mulher. Para isso é preciso romper com antigos tratados e ritos de poder.

A dialética proporciona serenidade nos momentos de angústia e crise política, pois ela permite novas travessias. Basta, portanto, estar atento, forte e não ter medo de ousar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *