Solidariedade à presidenta do Conselho LGBT de Niterói

Bruna Benevides - Atividade na Câmara Municipal de Niterói

O mandato do Deputado Federal Wadih Damous repudia todo e qualquer ato de violência. É notório que cresce o número de casos de intolerância à população LGBT no país e, na semana passada, acompanhamos de perto a agressão sofrida pela Bruna Benevides, única mulher trans no Brasil que preside um conselho municipal.

Em parceria com o vereador Leonardo Giordano, estamos à disposição e continuaremos a acompanhar o caso. Vamos denunciar sempre a violência e a LGBTfobia para construir uma sociedade que respeite a diferença e garanta os direitos de toda a população, sem distinção de raça, cor, gênero ou orientação sexual.

Confira a nota do Conselho pelos Direitos da População LGBT de Niterói:

NOTA DE REPUDIO

O Conselho Municipal pelos Direitos da População LGBT de Niterói vem a público, através desta, expressar indignação e repúdio à agressão física, a perseguição, ao linchamento virtual, a campanha difamatória e os ataques contínuos que tem se acontecido contra a nossa Presidenta, Sra. Bruna Benevides, que tem notória atuação municipal, estadual e nacional, na luta pelos direitos da população LGBT, em especial das pessoas Trans.

Nos últimos meses, após o triste episódio em que Bruna foi agredida fisicamente, em um evento público pelo Dia Internacional de Combate a LGBTfobia, tem sido orquestrada uma articulação desonesta, no qual vem sendo constantemente perseguida por uma ex-militante, que foi afastada do Movimento Social, após cometer um ato grave de lesão corporal e ameaças, contra a Sra. Bruna.

No dia 19 de julho de 2017, no Auditório da Câmara Municipal de Niterói, por ocasião da Reunião Ordinária do Conselho Municipal pelos Direitos da População LGBT de Niterói, do qual Bruna é Presidenta, a agressora esteve presente, levando consigo um grupo de pessoas, com a intenção de intimidar e pressionar as pessoas que compõe o conselho, impondo um ambiente instável através de posturas ameaçadoras, causando medo e pânico ao iniciar ataques e acusações pessoais contra a honra de Bruna e sobre a atuação do conselho, ao ponto de bloquearem a porta do Auditório, impedindo a saída das pessoas e proferindo ainda ameaças, sérias e graves.

O episódio foi levado à DEAM-Niterói, onde foi feito o Registro de Ocorrência, e contou com testemunhas e representantes de diversos Órgãos como Natália Cindra, do mandato do Deputado Federal Wadih Damous; André Borba, do mandato do Deputado Estadual Flávio Serafini; Benny da Rosa, do mandato da Vereadora Taliria Petrone; Gilmar Hughes, da Coordenadoria de Defesa dos Direitos Difusos e Enfrentamento a Intolerancia Religiosa (CODIR), além de representantes dos Movimentos Sociais e do próprio Conselho LGBT-Niteroi.

Diante deste grave acontecimento, expressamos nossa indignação perante a sociedade niteroiense e reafirmamos que não admitiremos nenhuma expressão de violência ou ataques a quem quer que seja, nos espaços que construímos. Especialmente quando há um fator de reincidência neste caso em especial. Nos posicionamos veementemente contra toda e qualquer forma de violência, seja ela física ou simbólica. É inadmissível que este tipo de situação aconteça em nosso meio e que nossos membros e pessoas presentes sejam expostas a toda essa violência.

Desta forma, solicitamos que todos os órgãos e instituições que lutam contra a violência no município, tomem um posicionamento Público a respeito de mais este caso, a fim de que os atos que aconteceram dentro de um espaço público da cidade, contra a Presidenta de um Conselho do Município não voltem a se repetir e para que juntxs possamos combater esse tipo de comportamento em nosso meio, que corrobora com o aumento da violência contra pessoas LGBT e em nada contribui para a construção de uma sociedade justa e digna para todxs.

Niterói, RJ, 21 de julho de 2017.

Conselho Pelos Direitos da População LGBT de Niterói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *