Bolsonaro perdeu novamente! Foi condenado por declarações homofóbicas!

Essa é uma grande vitória em tempos de intolerância e retrocesso.

O Grupo Diversidade Niterói (GDN) segue fazendo um bom trabalho em Niterói, contribuindo para a causa geral da esquerda.
Em 2015, após 4 anos de batalha de judicial, o GDN e todo o movimento LGBT em parceria com o mandato Leonardo Giordano, conseguiu uma vitória: uma sentença que condenou Jair Bolsonaro a indenizar danos morais coletivos, no valor de 150 mil reais, pelas atrocidades e declarações homofóbicas proferidas no programa CQC, em março e abril de 2011.

O pedido das associações autoras da ação civil pública número 0115411-06.2011.8.19.0001, GDN, Grupo Arco Íris e CaboFree era para que a quantia fosse revertida para o Fundo de Direitos Difusos, onde poderia ser aplicada em políticas de combate à LGBTfobia.

Jair Bolsonaro recorreu ao Tribunal de Justiça contra essa decisão, na sua primeira condenação judicial, alegando ter imunidade parlamentar e o direito à liberdade de expressão. Sua apelação foi julgada nesta semana, 8/11, pela 6a Câmara Cível e foi rejeitada.

Doe para a campanha

Wadih Damous é advogado e deputado federal. Foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro entre 2007 e 2012. Presidiu a Comissão da Verdade do Rio e a Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB. Presidiu Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UERJ e, como advogado, atuou e defendeu os trabalhadores. Agora, como deputado federal, após ter ocupado a vanguarda na resistência ao golpe contra a presidenta Dilma, se firmou como um pilar da legalidade democrática na Câmara dos Deputados e é um dos principais parlamentares na defesa do Lula. Sua voz hoje no parlamento é referência contra as atrocidades jurídicas da Lava Jato e o Estado de exceção no qual está mergulhado o Brasil pós-golpe, sempre apontando a urgência do resgate da democracia.

Outro valor: