“É preciso repactuar o país, porque o pacto de 88 foi quebrado”,” declarou o deputado Wadih Damous (PT/RJ), durante o debate Construindo Maiorias Democráticas, promovido pelo Sindicato dos Engenheiros do Rio de Janeiro (SENGE) e Federação Interestadual dos Engenheiros (FISENGE) que também contou com a participação de Robson Leite, candidato a deputado estadual pelo PT/RJ.

Para o parlamentar, embora seja necessário repactuar o país, enquanto houver um Poder Judiciário e um Ministério Público com a autonomia que eles têm hoje, não adianta convocar uma Constituinte. Agora, é preciso exigir que a Constituição de 88 volte a vigorar, porque é como se ela tivesse sido revogada, na prática.

Damous defende a convocação de uma Constituinte, mas entende que ela tem de ser resultado da força da mobilização popular. “Quem sabe, uma eleição de esquerda configure uma ruptura? Pode ser, mas acho que a Constituinte não é uma palavra de ordem para agora”, concluiu.

Assista o debate na íntegra

Doe para a campanha

Wadih Damous é advogado e deputado federal. Foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro entre 2007 e 2012. Presidiu a Comissão da Verdade do Rio e a Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB. Presidiu Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UERJ e, como advogado, atuou e defendeu os trabalhadores. Agora, como deputado federal, após ter ocupado a vanguarda na resistência ao golpe contra a presidenta Dilma, se firmou como um pilar da legalidade democrática na Câmara dos Deputados e é um dos principais parlamentares na defesa do Lula. Sua voz hoje no parlamento é referência contra as atrocidades jurídicas da Lava Jato e o Estado de exceção no qual está mergulhado o Brasil pós-golpe, sempre apontando a urgência do resgate da democracia.

Outro valor: