Segundo o cientista político Alberto Carlos Almeida, autor do best-seller “A Cabeça do Brasileiro” a pesquisa IBOPE divulgada ontem (1), na qual Bolsonaro abre 10 pontos percentuais de vantagem sobre Haddad não é comparável com o levantamento anterior porque apresenta diferenças metodológicas. “Por isso, a rigor, os resultados não são comparáveis”, afirmou no twitter.

“O IBOPE modificou a posição no questionário da pergunta de rejeição dos candidatos. Na última pesquisa ela foi antecedida por uma pergunta sobre o apoio de Lula, mas na penúltima não foi assim”, prosseguiu o especialista em voto, no Brasil.

Almeida também destacou uma mudança de filtro. “O IBOPE modificou o filtro da entrevista. Na pesquisa de ontem não foi entrevistado quem não votou nas últimas eleições”, criticou.

O instituto não desmentiu as diferenças metodológicas apontadas por Almeida. Apenas tentou minimizá-las: “não há diferenças significativas”, respondeu em matéria no site da revista Época. Mas elevou o tom ao relembrar ao especialista que ele já foi processado pelo instituto por afirmações “falsas”.

Doe para a campanha

Wadih Damous é advogado e deputado federal. Foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro entre 2007 e 2012. Presidiu a Comissão da Verdade do Rio e a Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal da OAB. Presidiu Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UERJ e, como advogado, atuou e defendeu os trabalhadores. Agora, como deputado federal, após ter ocupado a vanguarda na resistência ao golpe contra a presidenta Dilma, se firmou como um pilar da legalidade democrática na Câmara dos Deputados e é um dos principais parlamentares na defesa do Lula. Sua voz hoje no parlamento é referência contra as atrocidades jurídicas da Lava Jato e o Estado de exceção no qual está mergulhado o Brasil pós-golpe, sempre apontando a urgência do resgate da democracia.

Outro valor: